Plantas de interior fáceis de cuidar: 6 espécies para ter em casa

Nair Dos Santos
Plant sitting e Jardinagem |  27 março 2023 |  
8 min. de leitura
Plantas de interior fáceis de cuidar: 6 espécies para ter em casa

Ter plantas em casa não se trata de uma questão meramente decorativa para alimentar a tendência da selva urbana. Há muitas plantas que filtram o ar, contribuindo para melhorar a nossa saúde: é o caso das Espadas de São Jorge e da chamada “Comigo-Ninguém-Pode”. Conheça estas e outras plantas de interior fáceis de cuidar, que requerem pouca manutenção e que tingem de verde os nossos lares.

Não é preciso ser nenhum especialista em jardinagem para manter as plantas que adiante serão enumeradas. Basta que respeite as exigências de cada espécie (que são poucas e simples!) e tudo correrá bem. Muitas destas plantas são resistentes o suficiente para sobreviver a alguns pequenos deslizes - um pouco de água a mais ou até a um esquecimento na rega.

As seis espécies que abaixo se seguem são fáceis de manter o ano inteiro e precisam de apenas alguns cuidados básicos com iluminação e água – e amor e carinho, claro!

1 - Espada de São Jorge

A Espada de São Jorge (Sanseviéria) é uma planta muito resistente e de fácil cultivo. Tanto pode ser colocada no interior, como no exterior, e só precisa de ser regada uma vez por semana ou a cada duas semanas, dependendo do grau de humidade do espaço onde está inserida.

Espada de São Jorge

Evite dar-lhe demasiada água, nunca deixando o substrato encharcado, e verá que muito facilmente conseguirá mantê-la.

Há quem diga até que a Espada de São Jorge dá sorte, mas as suas propriedades vão além disso. Esta planta não só ajuda a regular a humidade do espaço em que se encontra, como converte substâncias tóxicas em oxigénio, contribuindo, assim, para purificar o ar das nossas casas.

2 – Monstera (Costela de Adão)

Se há planta que tem enchido as decorações de interiores pelo mundo fora é a famosa Monstera ou Costela de Adão, caracterizada pelas suas folhas que têm tanto de bonitas como de misteriosas. Sabia que a palavra “Monstera” provém do latim monstrum, que significa “monstro”?

Uma vez bem tratada, esta planta oriunda das florestas tropicais da América do Sul e Central cresce rapidamente.

Monstera (Costela de Adão)

A Monstera deve ser colocada num sítio semi-sombrio, uma vez que detesta apanhar sol diretamente.

No inverno, esta planta precisa apenas de uma rega semanal, que passa a duas no verão. Se quiser manter viva a coloração das suas folhas, aplique um fertilizante durante a primavera, uma vez por mês.

Note que a Costela de Adão é uma trepadeira, pelo que pode crescer significativamente (no seu habitat natural, esta espécie chega a atingir seis metros de altura).

Descubra ainda: Passo a passo - como fazer um jardim vertical?

3 – Dracena

Por sua vez, as Dracenas (igualmente designadas por Pau-d'Água), dotadas de uma aparência bastante exótica, também se dão muito bem em espaços interiores, que estejam bem iluminados, mas sem apanhar luz solar direta (a qual nada apreciam).

O nome científico desta planta, Dracaena, significa “dragão fémea”.

Dracena (Dracaena)

Uma rega por semana ou a cada duas semanas pode ser suficiente para esta espécie. As dracenas crescem devagar e, normalmente, não têm muitas folhas.

4 – Comigo-Ninguém-Pode

Se há planta que demora a crescer (e que até tem uma personalidade algo teimosa, digamos) é a Comigo-Ninguém-Pode – o próprio nome diz tudo!

Esta planta adora ambientes mais húmidos (por isso há que ter atenção ao uso de desumidificadores nas divisões onde se encontra) e luz indireta.

Planta Comigo-Ninguém-Pode

Contrariamente às outras espécies referidas neste artigo, esta planta necessita de mais água (cerca de duas vezes por semana), especialmente no verão.

Atenção: se tem animais domésticos, deve ter cuidado, uma vez que as folhas da Comigo-Ninguém-Pode são altamente tóxicas para os bichos. Também deve ser mantida fora do alcance de crianças.

5 – Suculentas

As suculentas, altamente versáteis e na moda, são consideradas das plantas de interior mais fáceis de cuidar, dada a sua elevada resistência, especialmente se houver esquecimentos na rega. Tal acontece porque as suculentas são oriundas do deserto e aguentam muito bem temperaturas elevadas.

Na sua grande maioria, ocupam pouco espaço e são muito usadas para os terrários, que se encontram em voga. Estas precisam somente de luz e (muito) pouca água, tal como os catos, por exemplo.

Deve regá-las uma vez por mês no inverno/outono e duas vezes no verão.

Se desejar, estas adaptam-se também muito facilmente ao exterior.

6 – Palmeira Areca

Também designada por Areca-bambu, uma vez que os seus caules fazem lembrar rebentos de bambu, a Palmeira Areca, oriunda de Madagáscar, cresce rapidamente e pode desenvolver-se tanto em ambientes com luz difusa ou relativamente sombrios, como em jardins.

Palmeira areca

Se o objetivo decorativo for conferir um ar mais tropical à casa, esta é a planta ideal para o efeito.

Embora seja mais usual vê-la em jardins, é perfeitamente possível alojá-la em espaços interiores.

Se porventura, em algum momento, notar que as folhas da Palmeira Areca estão a ficar amareladas, isso significa que está a receber luz solar direta demasiado forte.

No que à frequência da rega diz respeito, esta planta só deve ser regada quando o seu substrato se encontra totalmente seco.

Vai de férias e precisa de alguém que regue as suas plantas?
Encontre aqui

Como cuidar de plantas corretamente?

Desde logo, há que atender às necessidades de rega, pois cada espécie tem as suas. É uma questão de investigar quais são e regar em conformidade (para não haver esquecimentos, pode, por exemplo, apontar dois dias por semana na agenda para vistoriar as suas plantas e verificar se já necessitam de água e/ou definir um alarme no telemóvel para o efeito).

Aprofunde: Como regar plantas? Truques para mantê-las bonitas e saudáveis

Além disso, é normal que no verão tenha de ficar mais atento a estas necessidades de hidratação, que não são tão intensas no inverno. Quanto mais fria estiver a temperatura, mais espaçadas deverão ser as regas.

A luz é igualmente um fator muito importante e que pode ser controlado por nós. Há plantas que necessitam de exposição solar direta, ao passo que outras preferem um ambiente mais sombrio, mas que, ainda assim, seja iluminado naturalmente. Por isso, deve escolher bem as divisões da casa nas quais pretende ter as suas plantas.

Muitas vezes, as folhas das plantas acumulam pó (tal como o resto da casa!), pelo que deve limpá-las com um pano húmido, devagar, com todo o cuidado possível.

Tenha ainda cuidado para não expor as suas plantas diretamente a aquecedores e/ou ares condicionados.

Dica: se pretende começar a dedicar-se à botânica de interiores, é aconselhável que adquira as suas plantas num viveiro e com aconselhamento especializado, uma vez que assim reduz-se a probabilidade de virem com fungos. Quando comprar plantas, repare na etiqueta que as mesmas normalmente trazem com informações acerca da quantidade de luz e de água exigidas.

Termos a nossa própria “selva urbana” não nos exige que sejamos jardineiros exímios, uma vez que existem diversas plantas fáceis de cuidar para apartamentos e/ou para moradias, com ou sem jardim. E isto é garantido: uma vez comprada a primeira planta lá para casa, este é um caminho sem volta.

Technical SEO, UX Writer e Copywriter. Adoro ler e escrever; não dispenso um bom livro e um bom filme. Sensível à forma como a Internet pode facilitar o nosso dia a dia, escrevo no Toma Conta para ajudar os/as leitores/leitoras a obter informação fidedigna e atualizada sobre tarefas e serviços de apoio ao domicílio.

Mais autores do Blog

Sara Paiva

Sara Paiva

Socióloga de formação, Copywriter de paixão. Sou uma apaixonada por literatura (e pelas artes em geral), o que me levou a seguir uma carreira na área da escrita. Desenvolvo conteúdos para o Toma Conta com o objetivo de ajudar os utilizadores a obterem a melhor informação possível.

Ver artigos
Susana Valente

Susana Valente

Escrevo conteúdos para a web há mais de 20 anos como jornalista e copywriter. Adoro explorar montes e vales por esse país fora. Detesto fazer mudanças e adoro correr à beira-mar. Tenho veia de poeta, sou mãe e uma verdadeira mulher dos sete ofícios!

Ver artigos

Deixe o seu comentário